sábado, agosto 22, 2009

Avestruzes nas escolas

Data: 22/08/2009
Veículo: O GLOBO
Editoria: OPINIÃO
Assunto principal: ENSINO SUPERIOR OUTROS

LAIS MENDES PIMENTEL e PATRÍCIA RODRIGUES
A gripe suína mexeu no calendário escolar, mas há um outro mal que afeta, de forma silenciosa e cruel, a formação dos brasileiros. Trata-se da síndrome do avestruz: aquela que faz com que o sistema educacional fique paralisado, fingindo que não é com ele. Estamos falando do despreparo de professores para a realidade da inclusão, nas escolas regulares, de alunos com necessidades especiais.
São inúmeros os casos em que fica evidenciada a inaptidão de professores e diretores de escola na hora de lidar com estudantes com alguma questão cognitiva. E a raiz deste descalabro é clara: os currículos universitários dos cursos de pedagogia não preparam futuros professores para a inclusão.
Há legislação que prevê que a matrícula dessas crianças seja feita preferencialmente na rede regular de ensino.
Mesmo assim, muitas escolas, particulares ou não, ainda negam o direito a tantas crianças de serem educadas como quaisquer outras. O argumento é tosco: elas dizem não estarem preparadas para lidar com as "diferenças".
Estudo recente mostrou a aberração forjada em salas de aula por conta do tal despreparo. A pesquisa Preconceito e Discriminação no Ambiente Escolar, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, mostra que 96,5% dos entrevistados (pais, alunos e profissionais de cerca de 500 escolas) têm preconceito contra portadores de necessidades especiais; 94,2% têm preconceito étnico-racial, 93,5% de gênero; 91% de geração; 87,5% socioeconômico; 87,3% com relação à orientação sexual e 75,95% têm preconceito territorial.
É fácil entender, afinal, as melhores universidades do Rio de Janeiro contam apenas com uma matéria obrigatória de Educação Especial.
Lidar com as diferenças virou então matéria de cursos de especialização, uma questão de opção. O futuro professor tem que, por conta própria, conhecer, por exemplo, educadores como Reuven Feuerstein e Vitor da Fonseca, que demonstram como promover o desenvolvimento máximo do potencial cognitivo, social e afetivo de pessoas que hoje são marginalizadas.
Professores avestruzes não enxergam a pluralidade do ser humano e escolhem colocar a cabeça debaixo da terra, fingindo que tudo está bem. Aumentam assim os casos dessa síndrome cruel, alimentados pelas escolas que os contratam e pelas universidades que os diplomam. A atualização do caduco currículo das faculdades de pedagogia seria uma vitória de todos em direção a uma educação de verdade.

Laís Mendes Pimentel, é jornalista.
Patrícia Rodrigues, é economista.