quarta-feira, julho 21, 2004

Viajando Sempre

Pois é, estou eu aqui, no Rio de Janeiro, morrendo de frio e com gripe. Quem imaginou que seria assim? Bem, e a melhor parte, com insônia e trocando o dia pela noite. Eu adoro ficar acordada noite a dentro, mas não acho isso saudável. Na verdade isso faz com que eu acorde na hora do almoço sempre, o que me dá a impressão de que o meu dia não rendeu nada.
Mas esse período aqui não é pra render muito não. Não é para somar, é para subtrair, dividir e compartilhar. Compartilhar comigo mesma o que eu venho somando a tanto tempo. Um tempo pra pensar, ouvir e calar. Eu acabei de voltar de uma experiência maravilhosal, um sonho realizado. Morei no exterior por 4 meses. As vezes parece que não aconteceu, mas teve. E é toda essa experiência que eu preciso desgastar, compreender. Ver como eu me comportei quando não tinha mais ninguém além de mim. Pois neste instante eu vou poder perceber quem eu realmente sou. E lembrando bem... Eu até gosto do que vejo. Claro que não fiz tudo como planejei, mas em contra patida, fiz coisas surpreendentes. É isso que conta.
Eu não pensei que minha viagem de volta iria durar mais que as 13h de vôo. Ainda estou chegando, cada dia um metro, um quilómetro a mais. Cada dia mais proxima daqui, de mim, dos outros. Eu reencontro as pessoas e não aprece que estivemos separadas por tantos meses, parecem horas, minutos. Foi assim com meu pai, com minha mãe. Eu esparava me debulhar em lágrimas, soluçar até ficar com dor de barriga. Mas nada disso aconteceu. Eu os abracei, beijei e a sensação que tive foi de carinho, proteção, lar. Isso é muito, muito booom. Não havia me dado conta do quanto sentia falta disso. Alguém que te manda colocar um casaco, lembra do remédio, faz sua comida preferida. Enfim, casa.
Por isso eu adoro "O Mágico de Oz", a garotinha (desculpas mas esqueci o nome da personagem) diz tudo: "Não há lugar como nosso lar!"

.................................................................................................................

So, I'm here, in Rio de Janeiro, cold and sick. Who could wonder it would be like this? Well, the best part, inson and change day for night. I love to stay awake all night long, but I don't think this is healthy. Exctaly this makes me wake 12p.m., and seems that my day was not produitve.
But this time here s not to be prodctive. It is not to add, but to subtract, to divide to share. It's to share with myself what I've been adding for so long. A time to think, hear and shut. I have just returned from a amazing experience, a dreame that come true. I lived abroad for 4 months. Some times seems that it did not happen, but did. And it si this whole esperience that I have to understand. See how did I behave when I just had me to count on. Because this is when I really am myself. And trying to remember... I kind of like what I see. Of course did not do what I planned but, in the other hand, I got surprised my actions. That is what counts.
I din't know my return would take more than the 13h at the air. I am still arriving, each day a meter a kilometer. Each day nearer from here, from me, from the athers. I see people and it doesn't appears that we don't see each other for months, I think it were minuts, hours.Was like that with my father, my mother. I expected to cry my heart out, but I didn't. I huged them, kissed and I felt love, tenderness, protection. This is very, very good. I dind't realise how I miss it. Some one to tell you to get a coat, to remember you of th medicine, to make you your favorite dish. So, finally, home.
that's why I love "The wizard of Oz", th little girl (sorry but I forgot the character's name) says enough:
"There is no place like home!"